MENU
10/01/2020

Informes FECOERUSC

Setor elétrico espera pelo menos seis privatizações em 2020

Em meio a um cenário de queda das taxas de juros básica da economia, estão no radar dos investidores ao menos seis processos de privatização e a alienação de ações detidas por autarquias ligadas ao governo federal em empresas privadas e estatais. No lado das privatizações, cinco operações estão em curso, em diferentes estágios: CEEE (RS), CEB (DF), CEA (AP), Celesc (SC), Cemig (MG) e Eletrobras. Juntas, essas empresas representam 17,1% do mercado de distribuição de energia elétrica do Brasil, atendem a 14,4 milhões de clientes e detêm capacidade instalada em geração de 57,6 mil MW, equivalente a um terço do parque gerador nacional em operação. (O Estado de São Paulo – 08.01.2020)

 

Transmissão de energia sem fio citada por Bolsonaro para Roraima é tecnologia distante

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta sexta-feira, 03, que vai aos EUA no próximo mês para conhecer uma solução de "transmissão de energia elétrica sem meios físicos", mas a tecnologia apontada pelo governante como eventual solução para problemas de suprimento em Roraima é algo distante da realidade, improvável de ser aplicada atualmente, segundo especialistas. A afirmação do presidente a jornalistas, no entanto, causou estranhamento entre especialistas, que apontaram que sistemas para transmissão de eletricidade sem fio, quando existem, são ainda experimentais e aplicáveis apenas em pequena escala. (Reuters – 03.01.2020)

 

Ministério da Economia concorda com taxação maior de consumidor com painel solar

Em consulta pública da Aneel, o ME deu parecer favorável à redução dos benefícios para os consumidores que geram sua própria energia solar. O órgão deu aval ao cenário de maior taxação ao setor, argumentando que as regras atuais sobrecarregam quem não usa painéis solares. Segundo a regra atual, toda a energia gerada pelo consumidor e injetada na rede elétrica devolve a ele créditos equivalentes. Se a sugestão do governo for escolhida, essa devolução cairá para 40%. A taxa é uma forma de compensar as distribuidoras pelo uso da infraestrutura. (Folha de São Paulo – 05.01.2020)

 

Disputa pela GD poderá levar a lei específica

Revisão da resolução 482 pela Aneel pode levar o Governo e Congresso a apresentar PL que visa criar um marco legal para o segmento caso agência reguladora confirme a alteração das regras.
A revisão da resolução normativa no. 482 deverá seguir seu curso normal dentro da Agência Nacional de Energia Elétrica. Essa é a previsão da agência reguladora que prevê iniciar a análise das contribuições à audiência pública que trata do tema já nesta terça-feira, 7 de janeiro. Ao mesmo tempo o governo promete buscar outras vias para evitar o que se convencionou chamar de taxar a energia solar. A consequência desse embate poderá ser o estabelecimento de um marco regulatório para este segmento.
Presidente citou dar andamento, em regime de urgência, a um PL a ser colocado no Congresso Nacional (CN).
Questionado sobre as declarações, o diretor relator do caso na Aneel, Rodrigo Limp comentou que "a competência para definir políticas públicas é do Congresso e do Governo Federal. Saindo um projeto de lei, a gente regulamenta conforme a política pública definida. "
A Análise de Impacto Regulatório (AIR) e a minuta de regulamento, apresentadas pela agência reguladora em outubro passado, desagradou o segmento, acirrando o posicionamento entre o mercado de energia solar distribuída e o órgão regulador.
Para o senador Jean-Paul Prates (PT/RN, disse; "essa história de 'autonomia da agência' só tem servido como pretexto porque o governo sabe que vai precisar mexer nisso [nas regras da GD] em algum momento, mas a Aneel subestimou o contingente e a capilaridade dos agregadores já existentes. Agora todos querem ser 'a favor da energia solar' e a autonomia da Aneel foi para a berlinda", completou o senador.
O advogado especializado no setor elétrico, Frederico Boschin, explicou que as competências das agências reguladoras foram definidas na Lei 9427/96, para ele, porém, como o tema adquiriu relevância muito grande no setor, o Ministério de Minas e Energia deveria ter assumido para si a mediação das discussões.
Boschin disse que existe um custo de rede resultante da geração distribuída que já é consenso no setor. As divergências giram entorno do valor justo que deve ser cobrado. (Agência Brasil – 06 01 2020)

Eletrobras cria nova subsidiária para região Sul

A Eletrobras passou a ter uma subsidiária a menos desde a última quinta-feira, 2 de janeiro. Nesta data foi oficializada a união entre a CGTEE e a Eletrosul, duas empresas que atuavam na região Sul do país e Mato Grosso do Sul. Assim a estatal passou a consolidar a atuação naqueles estados na nova controlada, agora chamada de CGT Eletrosul, com sede em Florianópolis (SC). Com a mudança, informou a empresa em comunicado enviado, a meta agora é de retomar os investimentos em todas as áreas de negócio, bem como ganhos de escala na comercialização de energia. (Agência CanalEnergia – 03.01.2020)

2019 – Um ano de crescimento e tensão para a Geração Distribuída ("GD")

·       
Alternativas da ANEEL para GD
Clique na foto para ampliar

·       
Gatilhos e prazos para cobrança do uso da rede
Clique na foto para ampliar

(*) Autor

A Aneel buscando oferecer previsibilidade ao mercado, e, por consequência, maior segurança jurídico-regulatória, deu início a realizações de reuniões presenciais para a audiência pública que veio discutir e sugerir as novas regras para a micro e minigeração distribuída no país

Antes de olharmos a GD sob o enfoque dos acontecimentos do ano de 2019, vale aqui um pequeno nivelamento para aqueles leitores que não conhecem esse mercado.
Até o ano de 2012, os consumidores recebiam sua eletricidade de uma única distribuidora de energia, a qual detém o monopólio de fornecimento da energia elétrica em regiões pré-determinadas. Justamente diante deste monopólio o consumidor é obrigado a consumir a energia proveniente apenas da Distribuidora da sua região, não por outro motivo são chamados de "consumidores cativos".
No entanto, a Resolução Normativa 482/2012 da Aneel trouxe uma mudança deste velho paradigma, dando origem assim a revolução em prol da liberdade e do poder de escolha dos consumidores, que passaram a poder gerar sua própria energia, o que muitos hoje denominam de "Prosumidor".
Após esse breve nivelamento histórico, uma coisa posso afirmar categoricamente, o ano de 2019 foi um ano de grande intensidade para o setor de Geração Destruída, desde o atingimento de patamares recordes de geração até a possibilidade de mudanças regulatórias extremas que podem, inclusive, por em xeque os caminhos deste setor.
2019 começou com a animadora notícia de que o mercado de GD bateu a marca histórica de 500 megawatts (MW) de potência instalada em residências, comércios, indústrias, produtores rurais e prédios públicos.
Este crescimento noticiado à época era impulsionado por três fatores primordiais: (i) a forte redução no preço da energia solar fotovoltaica; (ii) o aumento nas tarifas de energia elétrica que pressionou o orçamento de famílias e empresas; e (iii) o aumento no protagonismo e na responsabilidade socioambiental dos consumidores.
Na esteira do atingimento da citada marca histórica, a Aneel buscando oferecer previsibilidade ao mercado, e, por consequência, maior segurança jurídico-regulatória, deu início a realizações de reuniões presenciais para a audiência pública que veio discutir e sugerir as novas regras para a micro e minigeração distribuída no país.
Assim, a ANEEL instaurou a Audiência Pública nº 001/2019, a qual, na sua primeira fase, visava obter subsídios para a Análise de Impacto Regulatório – AIR acerca das possíveis alterações da Resolução Normativa nº 482/2012, previstas para ocorrer em 2020.
O principal foco da ANEEL naquele momento foi o "Sistema de Compensação de Energia Elétrica" e a forma de valoração da energia que é injetada na rede (conforme "Alternativas" constantes no quadro acima).
E foi justamente este ponto que colocou de um lado as Concessionárias de Distribuição, e de outro lado, os investidores e consumidores interessados em GD.
E foi neste momento que o que chamo de a "guerra fria" da GD, começou!
A abertura da Audiência Pública com a apresentação das possíveis novas regras trouxe um grande burburinho e alguma insegurança ao mercado de GD. Por isso mesmo a Aneel logo veio a público reafirmar o compromisso de manter direitos adquiridos na atualização das regras de geração distribuída.
Em junho, em meio à "quebra de braços" e à guerra de informações, o Brasil ultrapassou a marca de 1 gigawatt de potência instalada em micro e minigeração distribuída de energia elétrica. Com aquela marca o Brasil se tornou naquele momento a segunda nação a superar 1 GW de capacidade instalada de painéis solares na América Latina e Caribe. O que se tratou de um grande avanço, proporcionado em grande medida pela regulação da ANEEL, pela redução de custo da tecnologia e do benefício econômico percebido pelos consumidores ao utilizar esse tipo de tecnologia frente à tarifa de energia cobrada pelas distribuidoras.
Mesmo diante de toda insegurança causada pela abertura da Audiência Pública, as notícias no meio de 2019 davam conta de que os investimentos acumulados em projetos de geração distribuída já somariam mais de R$ 4,8 bilhões no País, segundo levantamento da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica.
Já em outubro, ainda diante de um mercado ressabiado com as possíveis mudanças no setor, a Aneel dando continuidade a 1ª fase da Audiência Pública nº 01/2019, determinou a abertura da Consulta Pública nº 25/2019, cujo objeto foi o de obter subsídios e informações referentes à micro e minigeração distribuída para a elaboração da minuta da (a) Resolução Normativa ANEEL n° 482/2012; e (b) Seção 3.7 do Módulo 3 do PRODIST. Desta vez, a Aneel trouxe como sugestões de alteração – ver quadro acima:
Se os investidores em Geração Distribuída já estavam preocupados com aquela proposta inicialmente apresentada na 1ª fase da Audiência Pública nº 01/2019, a nova proposta apresentada pela ANEEL trouxe a eles a certeza de que o crescimento da geração distribuída no Brasil estava completamente em risco.
Se já existia uma forte "quebra de braço" entre as Distribuidoras e os investidores em GD na 1ª fase da Audiência Pública, após a proposta trazida pela Consulta Pública, com o perdão do trocadilho, foi que a "Guerra fria" esquentou de vez e entramos numa verdadeira guerra de informações e lobby de todas as partes, muito das vezes, sem filtro. Isso ficou muito latente no debate presencial promovido pela Aneel em novembro.
Como disse no início deste artigo, o ano de 2019 foi uma verdadeira gangorra de notícias e ânimos para os Investidores e consumidores do setor de Geração Distribuída, o ano chega ao seu final com as mesmas regras que iniciou e sem uma definição concreta de que caminhos este setor trilhará. A grande diferença do início do ano para o momento atual é a grande incerteza do que se estar por vir em termo de regulação, o que traz, portanto, uma grande insegurança para seus investidores.
A meu ver as perspectivas para o setor no ano de 2020, ainda que diante de toda atual insegurança regulatória, são boas. A Geração Distribuída pede passagem e não vejo como frear essa mudança. Esperamos que em 2020 os ânimos hoje acirrados, se arrefeçam e que a Aneel tenha a tranquilidade para desempenhar seu fundamental papel e quem sabe achar a saída mais adequada para não prejudicar um setor novo e ainda em fase de amadurecimento e fortalecimento.
Quem sabe, seguindo a linha de uma maior abertura do mercado, não evoluímos para uma solução mista, onde os "Prosumidores" possam negociar seus excedentes de energia, ao mesmo tempo que pagam pelo uso da rede e os encargos.
(*) Tiago Lobão Cosenza é advogado especialista em Regulação e Energia, Sócio do Lobão Cosenza, Figueiredo Cavalcante Advogados – (Canal Energia – 27/12/2019)

Voltar

FAÇA PARTE

Quer se filiar à Federação?

Solicite seu cadastro em
fecoerusc@fecoerusc.org.br

IR PARA
TOPO